Resumo do Segundo Encontro de Negócio com Projetistas e Parceiros

quarta-feira, 18 nov 2015

Belém/PA, 26/08/2015

Com a palavra, o presidente do Banco da Amazônia, Valmir Pedro Rossi, apresentou os resultados financeiros da instituição e enfatizou a importância da seletividade das propostas a serem submetidas. Posteriormente, os gerentes e diretores tiveram a oportunidade de externar toda a importância do Banco da Amazônia para o desenvolvimento das regiões Norte, Nordeste e Centro Oeste.

A programação seguiu com a palestra Cenários Econômicos – Oportunidade e Riscos: Um Olhar Setorial, ministrada por Luis Suzigan, consultor da LCA Consultores. A palestra abordou a melhoria da situação econômica dos países desenvolvidos e a piora nos países subdesenvolvidos.

Sobre o Brasil, a discussão ficou centrada no questionamento “chegamos ou não ao fundo do poço”? Houve a abordagem sobre as causas para a situação econômica vivida pelo país, dentre as principais causas citadas foram: a desaceleração do crescimento da economia chinesa, políticas econômicas desajustadas e a crise política.

Em relação aos fatores favoráveis para a recuperação, estão: o Câmbio elevado, porque diminui a procura por bens importados e pode resultar na recuperação da indústria brasileira; outro fator favorável é a expectativa de retração do IPCA.

Para a região norte, foi enfatizado o crescimento superior ao do Brasil e desaceleração menor, mas não menos significativa.

Na palestra seguinte, “Conhecendo o Cliente”, o discurso foi mais relacionado à técnica de avaliação de propostas e elaboração de projetos: retorno, investimento, engenharia e licenças. As propostas devem ser elaboradas a partir de dois pontos principais:

  1. Atestar a viabilidade atual do empreendimento: Caracterizar a estrutura atual (capacidade instalada), o tamanho, a atividade desenvolvida, os resultados obtidos, relacionamento com os clientes e fornecedores, participação no mercado, produtividade, localização, clima, disponibilidade de recursos hídricos, energia, armazenamento, mão-de-obra, situação ambiental, etc.

Para a avaliação da situação financeira atual dos proponentes cabe também a análise da responsabilidade da empresa e/ou grupo, discriminação do quadro de dívidas com a mesma data de referência do último balanço apresentado ao banco (avaliação prévia a partir do SCR), contendo: banco credor, finalidade, taxa de juros, número de parcelas, vencimento e saldo devedor.

 

  1. Atestar a viabilidade do empreendimento a partir do novo investimento: informar e comprovar a experiência do proponente na atividade pretendida, caso não possua, mencionar como esta será equacionada, dimensionar o salto em estrutura física e financeira e a participação no mercado,

Além das técnicas para se elaborar uma boa proposta, também se abordou a importância do papel desempenhado pelo projetista e a necessidade da vinculação do projeto com a realidade, uma vez que, tem ocorrido certo distanciamento na projeção de cenários e expectativas (grandes saltos em receitas sem fundamentos concretos, por exemplo). Portanto, é necessário evidenciar as premissas adotadas, cadenciar investimento e receita.

“O papel aceita tudo”, cabe ao projetista analisar os dados operacionais do empreendimento e conhecer o cliente para prospectar o futuro, uma empresa ruim não rende bons projetos.

Também nesta palestra foi confirmado que a partir de julho de 2015, as agências do banco, mediante, a metodologia estabelecida para a definição da participação do FNO, podem analisar e informar o percentual a ser financiado, desta forma, o projetista já elabora o projeto de acordo com o montante definido na análise. Outra mudança é a vinculação da inadimplência ao escritório e o projetista responsável pela apresentação da proposta, com objetivo de da maior qualidade ao serviço e incentivar a seleção de bons clientes, pois a qualidade do trabalho e do cliente reflete no tempo de análise, desta forma, o sucesso do consultor é o sucesso da instituição.

No pronunciamento sobre “Alinhamento, Análise e Inadimplência” o banco voltou a enfatizar a importância da proximidade entre projetista e agência e a obrigação de acompanhamento da execução do projeto, uma vez que, a assistência técnica vai até a liberação da última parcela do crédito.

O Banco alertou os projetistas para não se aventurarem em projetos que não apresentem sustentabilidade econômica e ambiental, visto que, devido à restrição de recursos não há mais espaço para liberações desta natureza, ou seja, cada vez mais o banco vai valorizar a relação com os clientes que já possuem um bom histórico na instituição.

Foi informada também a atualização do roteiro de projetos a ser disponibilizado posteriormente ao evento. Dentre os itens citados como passíveis de melhoria estão:

  1. Objetivos: descrição das características do projeto (implantação, relocalização, ampliação ou modernização), efeitos esperados com a proposta (aumento da capacidade, diversificação de produtos, melhoria na produtividade, renovação tecnológica, etc.). Se atentar para a diferença entre OBJETIVO E OBJETO. Objetivo é a idéia, a finalidade do crédito; objeto por sua vez, é o item financiável, construção civil, aquisição de máquinas e equipamentos, etc.
  2. Localização: Não se trata apenas do endereço, neste item convém abordar os motivos que oportunizaram a escolha do local de implantação, inclusão de nova atividade ou produto.
  3. Capacidade Instalada: Caracterizar a estrutura atual e/ou a nova estrutura a ser implantada: receita projetada para os produtos ou serviços, não deixando de realizar comparativo com a estrutura já existente. Justificando, comprovadamente, possíveis expansões, que superam as margens de receitas para o segmento do cliente ou que estejam acima do padrão do mercado.
  4. Itens Financiáveis: Justificar a necessidade da estrutura pretendida com o financiamento e das máquinas e equipamentos a serem adquiridos (o cliente pode ter necessidade do serviço e não do bem). Informar, também, a disponibilidade de energia.
  5. Mercado: Apresentar principais características, usos, essencialidades do produto/serviço, matérias-primas que os compõem e a tecnologia empregada.
  6. Vantagens competitivas: Informar os diferenciais e/ou vantagens mercadológicas dos produtos ou serviços em comparação aos concorrentes.
  7. Estimativas de receitas e custos: apresentar os critérios utilizados.
  8. Recursos próprios: No caso de implantação, deve ser apresentado no primeiro momento (internalização do projeto no banco), para demonstrar que o cliente detém a capacidade de aporte. Para empresas já implantadas a análise poderá diferenciada e a comprovação de aporte de recursos próprio poderá ser feita em momento a ser negociado com o gerente.
  9. Plantas Arquitetônicas: A apresentação de planta baixa para reforma ou ampliação deve seguir legenda determinada pelo banco no Primeiro Encontro com projetistas (está no portal do projetista); Os arquitetos também tem competência para assinar projetos de infraestruturas.
  10. ART: Toda ART deverá está acompanhada do comprovante de pagamento.
  11. Planilha orçamentária: deve conter a descrição da obra, local, proprietário, discriminação dos serviços a realizar, unidade (não será mais aceito o item “VERBA” devido a dificuldade de mensuração) e o código SINAP com a data de referência (a SINAP  é o índice de preços oficial para o banco, o código da Secretaria de Infraestrutura do estado só será aceita se o item não constar no SINAP, desta forma, não poderá fazer a opção por outro código apenas porque o preço é mais alto ou baixo).
  12. BDI: Quando a obra for executada pelo próprio proponente deverá ser indicado no plano de aplicação sem BDI; Deverá se observar o percentual para cada tipo de obra.
  13. Comprovação do de inversões realizadas: deverá ser feita em conformidade com o projeto aprovado, alterações podem ocorrer desde que, não seja alterado o objetivo do projeto e com a respectiva anuência do projetista e previamente aprovado pelo banco. As comprovações serão: física (in loco); fiscal/financeira (apresentação de notas fiscais e outros desembolsos).

Desta forma, o encontro abordou as mudanças ocorridas nos processos de avaliação de propostas e disponibilização de recursos ocasionados pelo cenário de restrição de crédito. Em função desse novo cenário, a instituição passa a prezar pelo bom relacionamento com o cliente e com o projetista para continuar colaborando com a geração de emprego e a sustentabilidade ambiental econômica da região norte.

By: Nadabe Soares Queiroz

Quem Somos

A Cetro Consultoria e Assessoria em Gestão Ltda.-M.E. no seu Plano de Negócios transforma sonhos em realidades e viabiliza negócios, por isso nos seus 18 anos de atuação tornou-se expert ...

Leia mais

Contato

Entre em contato conosco através das informações abaixo:

  • cetro@cetroassessoria.com.br
  • (92) 3657-9964 / 3307-9962
  • (92) 8114-8312 (TIM)
  • (92) 9212-8312 (VIVO)
  • R. Brig. João Camarão, 226, D.Pedro